Ajuruteua

Ajuruteua

domingo, 2 de janeiro de 2011

LÍGIA SAAVEDRA - UM VÔO AO LIVRE ARBÍTRIO


UM VÔO AO LÍVRE ARBÍTRIO

I
Atrás da porta há dor.
Intensa dor que esconde o riso sangreiro
enegrece o olhar rutilante
e adia o grito.
Existe culpa na passividade
a ausência da revolta
Abafa o padecer que é lágrima.

II
O molambo de brilhante disfarçado
arrasta o fardo sem elegância
atormentado pela indigna noite
das luzes banidas.
Um desertor de sonhos
cabisbaixo
curvado ao vergalho torturante
sem perceber que o sofrer
cega-lhe a vida
mas não lhe destrói o verbo.

III
Serpenteando por entre as palavras
ele já não estava desolado
tampouco vazio.
Num primeiro instinto lança-se à escrita
mas é a vingança quem monta sua trama
por entre o branco das linhas virgens
E é lá exatamente
que surgem os primeiros raios do Verso
trazendo em si a inspiração e a poesia
que quando incorporadas à essência
da imaginação com liberdade,
tornam-se a luz da verdade na sabedoria.

IV
É o molambo condenado a ser livre.


Lígia Saavedra

Foto:
dineifaversani.blogspot.com

Um comentário:

  1. Querida Lígia, sua poesia é libertadora! Bjus. Tania. PS: "Este blog é uma delícia" como disse Penélope.

    ResponderExcluir

COPIE E LEVE COM VOCÊ O NOSSO BLOG E A COR DO AÇAÍ.

BannerFans.com

Recado

Paixaoeamor.com