Ajuruteua

Ajuruteua

domingo, 26 de setembro de 2010

NICOLLO MAQUIAVEL - O FILÓSOFO "DA HORA"


Retrato de Maquiavel (detalhe)
por Rosso Fiorentino (c. 1517)

"Um povo corrompido que atinge a liberdade tem maior dificuldade em mantê-la."

"São tão simples os homens e obedecem tanto às necessidades presentes, que quem engana encontrará sempre alguém que se deixa enganar."

"Mas a ambição do homem é tão grande que, para satisfazer uma vontade presente, não pensa no mal que daí a algum tempo pode resultar dela..."

"Os homens quando não são forçados a lutar por necessidade, lutam por ambição."

"O primeiro método para estimar a inteligência de um governante é olhar para os homens que tem à sua volta."

"Eu creio que um dos princípios essenciais da sabedoria é o de se abster das ameaças verbais ou insultos."

"Uma mudança deixa sempre patamares para uma nova mudança."

"Todos vêem o que pareces, poucos percebem o que és."

"...Pois o homem que queira professar o bem por toda parte é natural que se arruíne entre tantos que não são bons."


Sobre o autor:
Niccolò Machiavelli, dito Maquiavel, ensinou ao mundo uma lição de política prática. Nasceu em 1469, filho de um advogado, e cresceu na cidade italiana de Florença. Em 1498, conseguiu um cargo secundário de funcionário do governo de Florença, emprego que conservou durante 14 anos.
Tornou-se funcionário público de confiança e, finalmente, um diplomata, que viajou para todas as importantes cidades-Estado da península e também para diversas cortes estrangeiras.

Em toda a parte, Maquiavel observava os políticos e suas maneiras; tornou-se um analista do poder. Acima de tudo, amava a Itália e queria vê-la unida sob um monarca. Em 1512, perdeu sua posição por causa de uma mudança no governo florentino. Instalou-se, então, numa pequena comunidade fora da cidade e pôs-se a escrever. A mais famosa de suas obras é O Príncipe, um manual que contém as regras desenvolvidas a partir de suas observações, as quais esperava ver utilizadas por um monarca para unir a Itália. Maquiavel morreu em 1527 e O Príncipe foi publicado cinco anos mais tarde.
Típico pensador do Renascimento, Maquiavel é considerado o primeiro teórico do Estado moderno. Ele vislumbrava a necessidade de um Estado centralizador e poderoso, em que o governante se sobressaísse sobre os demais senhores feudais e tivesse poder para conduzir a sociedade.




Como outros humanistas italianos da Renascença, Maquiavel sempre foi um ávido leitor. Suas leituras incluíam uma série de livros tradicionais, dirigidos aos governantes e contendo conselhos de como exercer o governo.
Os autores tinham escrito em termos idealistas, orientados por crenças religiosas medievais. Maquiavel inverteu suas máximas. Para ele, não havia meios que os fins não justificassem, nem códigos morais que não pudessem ser transgredidos, nem princípios religiosos que reprimissem o governante. Ao fazer a distinção entre o que um homem era e aquilo que deveria ser, ficou com a realidade como a via e eliminou o "deve ser" de seu vocabulário.


Fontes:
O Pensador
Educação.uol.com.br
Google Images


Um comentário:

  1. Legal o post! Já foi publicado! Sabia que o prêmio aumentou? Agora são R$ 1.000,00!
    Obrigado por colocar a troca de links
    Abraço.
    Antoani/Equipe Link Premiado
    http://www.linkpremiado.com.br

    ResponderExcluir

COPIE E LEVE COM VOCÊ O NOSSO BLOG E A COR DO AÇAÍ.

BannerFans.com

Recado

Paixaoeamor.com