Ajuruteua

Ajuruteua

sábado, 11 de setembro de 2010

ORQUESTRA FILARMÔNICA DE MINAS GERAIS




Filarmônica de Minas Gerais faz sua estreia no Norte e Nordeste do Brasil

Entre os dias 08 e 19 de setembro a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais vai percorrer sete estados das regiões Norte e Nordeste, em sua maior turnê nacional: Salvador, João Pessoa, Recife, Natal, Fortaleza, Belém e Manaus recebem a Orquestra em concertos nos principais teatros dessas capitais. Sob regência de Fabio Mechetti, os músicos apresentam as obras O Guarani: Protofonia, de Carlos Gomes; Egmont: Abertura, de Beethoven; a Sinfonia n° 41, “Júpiter”, de Mozart; e a bela Sinfonia n° 8 em Sol maior, de Dvorák.

A primeira apresentação acontece no Teatro Castro Alves, em Salvador, no dia 8. Em seguida, no dia 10, no Cine Bangüê, em João Pessoa. Recife e Natal recebem a Filarmônica nos dias 12 e 14, respectivamente. A orquestra passará também por Fortaleza, no Theatro José de Alencar, no dia 16, e por Belém, no Theatro da Paz, no dia 17 - integrando a programação do 4° Festival Internacional de Ópera da Amazônia. Os ingressos variam da entrada franca a R$ 20, com direito a meia entrada. Em Manaus, última capital a receber a Orquestra, a apresentação no imponente Teatro Amazonas terá ingresso a R$ 1.

Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular da Orquestra, diz que o repertório foi pensado para “que fosse do agrado geral tanto dos apreciadores da música sinfônica quanto dos que a conhecem pouco. Muitos certamente poderão escutar uma orquestra sinfônica desse porte pela primeira vez. São, portanto, compositores que têm um apelo universal imediato como Mozart, Beethoven, Dvorák, e logicamente o nosso Carlos Gomes”. Os repertórios apresentados durante a turnê se diferem apenas nas obras de abertura. A alteração se dá em função dos tamanhos dos teatros em que a Filarmônica se apresenta.

Em Salvador, João Pessoa, Recife, Belém e Manaus, o concerto tem início com a Protofonia de O Guarani, de Carlos Gomes. Consagrada pelo público brasileiro como um segundo Hino Nacional, essa partitura ainda hoje desperta admiração e entusiasmo por sua força, grandiosidade, inspiração e originalidade melódica fascinantes. Em Natal e Fortaleza, é a Abertura de Egmont, obra do compositor alemão Beethoven, que abre o concerto. A peça foi composta com o objetivo de acompanhar o drama homônimo escrito por J. W. Goethe.

Na sequência, os músicos executam a Sinfonia n° 41, Júpiter, de Mozart, que possui ritmo intenso e efervescente. Considerada a mais grandiosa obra do compositor, ela abriu definitivamente as portas para o Romantismo musical do século seguinte. Encerrando o concerto, a Sinfonia n°8 em Sol maior, de Dvorák, obra composta quando o compositor teve sua obra difundida em toda Europa e foi convidado a reger algumas de suas peças na Rússia.

12/09/2010
Recife, PE
Domingo, 19h
Teatro de Santa Isabel

Fabio Mechetti, regência

GOMES . O Guarani: Protofonia
MOZART . Sinfonia nº 41, “Júpiter”
DVORÁK . Sinfonia nº 8 em Sol maior

14/09/2010
Natal, RN
Terça-feira, 19h30
Teatro Alberto Maranhão

Fabio Mechetti, regência

BEETHOVEN . Egmont: Abertura
MOZART . Sinfonia nº 41, “Júpiter”
DVORÁK . Sinfonia nº 8 em Sol maior

16/09/2010
Fortaleza, CE
Quinta-feira, 20h30
Theatro José de Alencar

Fabio Mechetti, regência

BEETHOVEN . Egmont: Abertura
MOZART . Sinfonia nº 41, “Júpiter”
DVORÁK . Sinfonia nº 8 em Sol maior

17/09/2010
Belém, PA
Sexta-feira, 20h30
Theatro da Paz

Fabio Mechetti, regência

GOMES . O Guarani: Protofonia
MOZART . Sinfonia nº 41, “Júpiter”
DVORÁK . Sinfonia nº 8 em Sol maior

19/09/2010
Manaus, AM
Domingo, 19h
Teatro Amazonas

Fabio Mechetti, regência

GOMES . O Guarani: Protofonia
MOZART . Sinfonia nº 41, “Júpiter”
DVORÁK . Sinfonia nº 8 em Sol maior


Entrada Grátis

Fonte:
www.filarmonica.art.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COPIE E LEVE COM VOCÊ O NOSSO BLOG E A COR DO AÇAÍ.

BannerFans.com

Recado

Paixaoeamor.com